quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Shanah Tovah Umetukah!!!!!

Feliz 5771!!!






13 comentários:

rudyrafael disse...

Feliz ano novo pra você, querida Moriah. :)

Muita Luz, Vida e Amor em sua vida.

Um grande beijo de quem tem um carinho muito grande por sua pessoa.

Ariel Shem Tov disse...

Obrigada, Rudy!! Será um ano muito bom para todos nós! BEijos!

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Olá!

Hoje, 23 CHESHVAN, o Brasil escolhe quem será seu próximo governante em que muitos vão às urnas mais por mera obrigação de votar.

É um dia em que, pela repetição de fatos, não posso considerar como feliz para aqueles que desejam a paz de Jerusalém e nem para os que, com sinceridade, anseiam pelo fim da miséria e de outras lamentáveis mazelas sociais.

São tempos de angústia, mas também de fé, o que contribui para despertar a mesma confiança que tiveram os patriarcas quando peregrinaram em meio à hostilidade, conforme se lê neste trecho da Parashah:

"Permaneça nesta terra mais um pouco, e eu estarei com você e o abençoarei." (Gn 26.3a; Nova Versão Internacional - NVI)

Mas grande confiança trazem estes versos do Salmo Toledot:

"Pois em ti está a fonte da vida;
graças à tua luz, vemos a luz."

"Não permitas que o arrogante me pisoteie,
nem que a mão do ímpio me faça recuar."

Que a cada dia continue sendo proclamado um 5771 de muita paz!

Ariel Shem Tov disse...

Pois é. Sobre isso, Rodrigo, há duas considerações cabalísticas (aliás, o Yehuda Berg escreveu um artigo ótimo sobre "eleições" e o mês de cheshvan, procure no google):

1) O poder é nosso, não devemos ser efeito: http://hikarigaafureru.blogspot.com/2010/10/vamos-votar.html

2) Tudo está sempre acontecendo em perfeita harmonia com o Plano Divino. Qualquer resultado, sempre será o que precisamos coletivamente para evoluir até a consciência de Mashiach.

Boa eleição para vc!

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Olá, Ariel.

Compreendo quando diz que não devemos ser o efeito. E, infelizmente, a sociedade brasileira ainda não compreendeu que ela é a causa... Renunciamos durante o 4 anos de mandato a nossa responsabilidade por deixarmos de nos envolver com a busca de soluções. É a velha síndrome do "salvador da pátria" e do "sebastianismo" que herdamos dos ancestrais lusitanos da nação que, por sua vez, reflete os equívocos milenares acerca do obra do Mashiach. E digo isto no sentido coletivo, mas não nego que minha consciência individual às vezes se confunde e acabo agindo uma hora como reativo e em outra como um pró-ativo.

A obra do Mashiach precisa ser executada também pelos homens. E servimo o Mashiach quando procuramos satisfazer a necessidade do nosso semelhante. Foi o que escrevi em meu artigo "Quando o Messias bate à nossa porta", de 25/09/2009, em que cheguei até a utilizar um texto publicado aqui neste blogue para ilustrar a minha mensagem, fazendo associação a uma citação da Bíblia cristã (Mt 25.31-46).
http://doutorrodrigoluz.blogspot.com/2010/09/quando-o-messias-bate-nossa-porta.html

Obrigado pelos votos de boa eleição. Meu candidato não ganhou, mas continuo sendo um cidadão pró-ativo para que as condições sociais melhorem neste país.

Ariel Shem Tov disse...

É isso aí. É lógico que tudo pode ser bom ou ruim independentemente do presidente! É isso que as pessoas têm que entender: somos nós que construímos a realidade. Beijos!

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Tenho ultimamente pensado sobre essas ideias de causa e efeito. Dia 05/11, publiquei na internet o artigo "Escreva sua história!" onde citei o Yehuda Berg juntamente com um trecho da música "Gabriela" de Dorival Caymmi. O Yehuda fala que:

"(...) Tudo na sua vida é de sua responsabilidade. Quando nós não agimos proativamente diante de uma determinada questão, algo em nossa alma se fecha; nós nos tornamos abertos para a depressão, raiva e engano. Em outras palavras, nós acabamos sendo efeitos da situação. Este é o momento mais importante do ano para estar consciente de nosso poder de nos tornarmos a causa em cada aspecto de nossa vida (...)".

Parece-me que a ideia de causa e efeito é deuteronômica, relaciona-se com as bençãos e maldições da Torá. No entanto, lendo o Livro do Pregador e a história de Job, acabo vendo uma exceção à teoria da causa e efeito. Trata-se das não causalidades imediatas:

"Vi ainda, debaixo do sol, que não é dos ligeiros o prêmio; nem dos valentes, a vitória; nem tampouco dos sábios, o pão; nem ainda dis prodentes a riqueza; nem dos inteligentes, o favor; porém tudo depende do tempo e do acaso. Pois o homem não sabe a sua hora. Como os peixes que se apanham com a rede traiçoeira e como os passarinhos que se prendem com o laço, assim se enredam também os filhos dos homens no tempo da calamidade, quando cai de repente sobre eles."

Tal passagem, ao falar do "acaso" trás uma ideia de ausência de causa. Pelo menos aos olhos humanos, já que não somos conhecedores de todos os propósitos divinos.

O que você acha?

Ariel Shem Tov disse...

Haaa! Assunto um tanto complexo o livro de Job.

Vou colocar apenas 2 itens, das várias conclusões que se podem tirar a partir desse livro, que acho importantes com relação a causa e efeito:

1) O Emanador já emanou. Vc pode ligar-se a essa Luz ou não, tanto faz. Ninguém vai ficar monitorando o que vc faz ou deixa de fazer. É tudo responsabilidade sua. No entanto, tudo o que vc faz gera um impacto, que os cabalistas chamam de "semente" e ela, em algum momento se manifestará, sendo negativa ou positiva.

O que a maioria de nós pensa é: "Nossa, eu são tão legal! Pq essa bigorna caiu na minha cabeça? É tão injusto!". Bem, isto se dá pq achamos que temos um "crédito" de positividade e negatividade. Ou seja, hoje, fico achando que tenho um super crédito de Chessed só pq dei R$1,00 pra um mendigo. E que algo ruim só aconteceria se eu tivesse sido mauzinho e aí teria o que mereci.

Aqui o Baal Shem Tov é extremamente esclarecedor. Ele diz que nós renascemos a cada dia (daí a importância da oração Modé Ani). O que isto quer dizer? Que todos os dias eu estou "zerado" e que acontecerão coisas boas e ruins ao longo do dia, que são coisas que eu mesmo atraí para o meu crescimento, minha evolução espiritual. Todos os dias eu tenho que ser virtuoso novamente, fazer tsedaká novamente, não sucumbir à minha yetzer hará (má inclinação). Todos os dias, como se não tivesse existido ontem. Todos os dias, Ele permite que o Acusador venha fazer de nós o que quiser.

Ao mesmo tempo, todos os dias eu tenho a oportunidade de criar um paraíso! Mesmo tendo sido uma pessoa sinistra ontem, eu posso, hoje, mudar.

É claro que as sementes que plantei no passado irão florescer em alguns momentos no meu futuro, mas eu não devo me preocupar com isso, nem fazer o bem só para receber um super prêmio no futuro. Aliás, este tipo de mentalidade envenena qualquer boa ação que tenhamos realizado. Anula-as totalmente.

2) Coisas ruins acontecem com pessoas boas. As desgraças da vida não são direcionadas a alguém especificamente. Elas caem aleatoriamente na cabeça de qualquer um. Não importa se vc foi legal ou não, um dia uma desgraça cairá sobre a sua cabeça. Ponto. Cairá para que vc a eleve e torne o mundo melhor. Portanto, ser bonzinho para que nada de ruim lhe aconteça não é o espírito da coisa.

Temos de ser pessoas boas, conectadas com D-us, compreendendo que a Sombra existe neste mundo e nós aceitamos viver com ela, embora não nos lembremos mais no momento em que nascemos.

A responsabilidade à qual Yehuda Berg se refere é essa: É vc que escolhe como tudo se transformará a partir de uma benção ou de uma maldição. E, normalmente o que devemos fazer é transformar maldições em bençãos também. Dessa forma, tudo se revelará como realmente é: benção. Isto é Emet (Verdade).

Você é responsável pela sua reação perante os eventos do mundo.

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

O pouco que posso compreender desta vida, já que o tempo a mim não pertence, é que a cada dia só resta aceitar a Chessed divina. Seja ao amanhacer ou ao anoitecer. É o que podemos compreender pela leitura da Torah a respeito da história de Jacob, como ele recebeu esta Chessed desde o nascimento ao segurar o calcanhar do irmão até o seu último suspiro, quando profetizou a respeito de sua descendência.

A Chessed é o que nos torna também misericordiosos para com o próximo. Quando compreendemos o amor incondicional do nosso Criador, somos levados a exercitar a tolerância até em relação aos que reincidentemente erram conosco

Lendo a Torah, podemos perceber em toda a instrução a assinatura da Chessed que é o grande enigma das Escrituras, capaz de anular até mesmo a causa e efeito, ensinando-nos e nos confortando a encarar o dia mal porque compreendemos que os créditos estão sempre zerados.

Que hoje, 24 de kislev, possamos viver com gratidão debaixo da Chessed divina!

Embora eu não caminhe conforme muitas das tradições, eis que, oportunamente, desejo uma feliz celebração de Chanukah!

Ariel Shem Tov disse...

Obrigada, querido! Pense nos milagres que vc quiser para tudo (sua vida, o mundo) que eu meditarei diante das minhas velinhas de Chanucá.

Com relação à Misericórdia Divina, ela pode nos dar a oportunidade de corrigir as sementes negativas. Mas somos nós que temos que fazer o trabalho de transformação das mesmas. Aí já entramos em um nível mais elevado de atuação junto ao Divino, que são as 3 sefirot superiores da Árvore da Vida: Binah, Chochmah e Kether. Em Binah conseguimos anular a negatividade e transmutar as sementes negativas. Como é um nível coletivo (Neshamá), isto ocorre para todos. Cada vez que eu mudo uma semente negativa que plantei, eu faço isso para o Universo inteiro.

Algumas fendas energéticas chegam a Binah, abrem os portais para essa dimensão: Pessach (8 dias) e Chanucá (8 dias), por exemplo.

O Shabat também traz Binah para Malchut, especialmente durante a Havdalá (o fechamento do Shabat).

Como acesso esta dimensão do Milagre? Através da alegria, de uma esposa feliz e amada e do entendimento (conhecimento cognitivo). Guardando o Shabat.

bjs!

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Obrigado por desejar-me boa sorte e espero poder retribuir nas minhas orações/meditações.

Você falou em algo importante que é revertermos as sementes negativas. Embora a Chessed continue sendo a base, acredito que mais do que meditações em festas específicas, ou no Shabat, existe um passo importantíssimo que é a atitude prática em relação ao fato.

Se prejudiquei alguém, devo aproveitar a oportunidade de reparar com suficiência o aml causado (quatro vezes mais que é a pena prescrita pela Torah para qualquer subtração). Mas se não há como reparar o mal causado a uma pessoa, considerando sua ausência neste mundo físico ou outra circunstância impeditiva, parece-me adequado ajudar os pobres deste mundo. E aí não me refiro apenas aos pobres financeiramente, mas incluo os doentes, os carentes de atenção, os desprezados, os sofredores e até os presos, sejam os encarcerados numa prisão ou os encarcerados dentro de si mesmos.

Guardar o Shabat em sua essência torna-se importante porque se cria uma oportunidade para a oração, leitura meditativa e a ocupação prazeirosa com as coisas espirituais. E o festejo do Havdalá ganha sua importância porque o fechamento do Shabat torna-se alegre e num clima de adoração que entram no lugar da empolgação para a retomada das atividades laborais após o por do sol...

Até hoje poucos guardaram o Shabat em sua essência e a humanidade esqueceu-se de descansar/cessar. Mesmo os que param de trabalhar no final da sexta-feira, substituem o repouso por atividades estressantes de entretenimento que são incompatíveis com a restauração do equilíbrio individual e coletivo.

Concordo sobre a importância de um marido amar sua esposa, pois a reversão das sementes segativas deve começar pela nossa casa, pois de nada adianta um homem doar uma boa proporção de seu patrimônio para ONGs assistenciais se ele continua insensível quanto á própria família.

Finalmente, querro refletir sobre o entendimento cognitivo, o qual me parece apenas como uma via para a compreensão da Mensagem Divina. E aí percebo que muitas pessoas de humilde condição e pouca instrução demonstram muito mais compreensão da Vida e um vibrante relacionamento com o Criador do que muitos estudiosos das Escrituras. Aí falo por experiência própria em relação a tais pessoas.

Ariel Shem Tov disse...

Em determinado nível, estamos falando a mesma coisa.

Chag Sameach!

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

CHAG SAMEACH CHANUKAH!

Acho que a ocasião da festa inspirou-me a escrever um novo artigo.

Desejo muita luz para o seu interior!