sexta-feira, 2 de abril de 2010

Shir HaShirim - Cântico dos Cânticos

O Shabat realmente é uma maravilha. Mas, o Shabat de Pessach é sempre muito especial. Nele, entoamos o Cântico dos Cânticos, que é um dos meus textos favoritos.

Todo o ritual do Shabat é um casamento entre Céu e Terra e entre homem e mulher, já que o casal é a materialização dessa intimidade entre D-us e cada um de nós. O erotismo é considerado, pela Cabalá, uma grande ferramenta, pois movimenta uma das mais poderosas fontes de energia que o ser humano pode movimentar. [Dentre as mitzvot (hábitos, mandamentos) do Shabat está o encontro físico do casal durante a madrugada.]

Muitas tradições sabem disso, e muitas se utilizam da sexualidade como ferramenta. Inclusive, as Artes Sombrias são notórias por justamente reduzirem a sexualidade a algo muito baixo em seus rituais.

Dentro da Cabalá, a visão do Cântico dos Cânticos nos dá o sentido "casher", apropriado, da sexualidade. Nele, sentimos falta do outro de forma visceral e, ao estarmos com o outro,  a atmosfera de erotismo é gerada pelo estarmos presentes. É o outro que desperta sensações em nós, mas nós estamos lá para despertar sensações no outro. Assim, temos o fluxo de receber e influenciar e tornamos esse momento em algo de perfeito equilíbrio: influenciamos e nos deixamos influenciar. Esta é a forma de ser que permite que o Universo funcione em harmonia.

Portanto, Shabat com Cântico dos Cânticos tem uma dose extra de Luz e uma dose a mais de erotismo, Graças a D-us.

Que neste Pessach consigamos todos sair da escravidão.

Baixe aqui o Cântico para ler esta noite.

Uma das frases típicas deste texto é o "Ani Le Dodi VeDodi Li" - "Eu sou para o meu amado e ele é para mim". Algumas pessoas gravam isto no interior das alianças de casamento.

7 comentários:

rudyrafael disse...

E como fica a questão dos solteiros?
Isto seria para o casal independente da estabilidade da relação?
Quando você se refere a "reduzir a sexualidde a algo muito baixo" trata de excesso e/ou abstenção?

Beijo!

Moriah disse...

Rudy, dentro da doutrina cabalista, não é necessário você ser casado formalmente. Basta você formar um casal estável com alguém.

A troca frequente de parceiros, sem um certo tempo de distância entre eles, acaba trazendo um curto-circuito energético para a pessoa.

O casamento cabalista visa consolidar uma terceira consciência perante o Mundo Espiritual. Seria uma consciência formada pelas duas Árvores da Vida do casal. Mas isto não é obrigatório, embora seja desejável para o equilíbrio do Universo.

O homem solteiro (a mulher não tem esse problema) é um ser incompleto (saca a perninha do cromossomo "y" que tá faltando?). Então, ele fica meio que livre para "acoplagens", quando ele não tem uma fixa. Então, se vc não estiver numa relação estável, vale muito a pena colocar na sua mesa de cabeceira, ou debaixo do seu travesseiro, a combinação Zain-Zain-Zain. São três anjas que protegem os homens.

Moriah disse...

A "sexualidade baixa" é quando deixamos de ver e respeitar o outro. Por exemplo, eu gosto de peitão. Aí, eu escolho numa noite uma parceira sexual porque ela tem um "peitão". Durante a relação inteira, eu só estou interessado no "peitão" e não, na moça. E no final, depois que eu me satisfaço, eu penso que gostaria que ela virasse uma pizza.

Podemos ir enveredando por esse caminho até as perversões e o sexo usado como forma de violência e submissão.

E por aí, podemos ir sofisticando, até o ponto em que eu acredito que a sexualidade é algo perverso e a anulo totalmente da minha existência.

Dentro da Cabalá, a ausência de sexo é um problema muito grande na vida de uma pessoa.

O excesso é apenas quando a coisa passa a ser um exercício fisiólogico e, não, uma conexão.

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

O sexo entre um homem e uma mulher é um culto ao Criador. Mas as relações ilícitas tornam-se cultos a demônios. Há muitos mistérios que um casal no aperfeiçoamento da relação vai descobrindo aos poucos. Porém, é fundamental a Terceira Dobra da relação.

Moriah disse...

Sim Rodrigo, os seres que precisam de nós para sugar a Luz (pois ela não chega até eles) a-d-o-r-a-m adquiri-la durante um ato sexual "desconectado". Por isso é importante que haja amor, alegria e consideração pelo parceiro.

Segundo a tradição cabalista, uma esposa funciona como um "talismã" contra esses seres. A simples presença de uma parceria fixa, que vc ame muito, já impede que esse tipo de ser se aproxime.

No entanto, toda a relação de casal se eleva a um outro patamar quando fazemos a união de almas do casamento.

Obrigada pelo comentário!

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Eu é que agradeço pela atenção.

Dentro daquilo que me respondeu, compreendo que o relacionamento do varão com sua mulher auxilia como uma prevenção para ambos quanto às relações sexuais ilícitas, principalmente quanto à fornicação e ao adultério, além da masturbação.

Mas, de a cordo com o sentido da instrução, pode-se afirmar que até o sexo feito por um casal precisa ser feito com amor e com pureza.

A presença do Criador num relacionamento é como um cordão de três dobras, sendo a fonte de toda a proteção contra os seres que, na mensagem anterior, chamei de demônios.

Moriah disse...

Exato!

De nada adianta ter uma parceira fixa só porque é mais cômodo ou mais seguro. O objetivo tem que ser apreciar essa presença, reconhecer a centelha divina que está ali e que aceitou unir-se a você. Este é o respeito que deve haver no casal.

O amor e a alegria são sabidamente os maiores antídotos contra a negatividade. Toda sombra se retrai perante o sentimento de amor, principalmente o amor apaixonado pelo Criador.

Um abraço!